1h21

Porque tudo muda ao entardecer. Tudo é negro, tudo é breu. Tudo resta, mas nada é meu. Apenas vagas silhuetas recordam o meu vulto. O meu vulto que não recorda as vagas silhuetas. Num desinteresse, numa hora, em que tudo se perdeu. Advertisements